Consequências do RGPD no Marketing Digital

3

O RGPD veio mudar a forma como o Marketing Digital pode agir. Estamos preparados para esta mudança?

Ultimamente, ao acedermos a um website deparamo-nos com uma nova caixa a alertar-nos sobre a criação de cookies. Esta alteração sucede-se pela implementação e mudanças previstas no Regulamento Geral de Proteção de Dados, o RGPD, que entrou em vigor em Maio de 2018.

Este regulamento alterou bastante a responsabilidade dos profissionais que lidam com os dados pessoais dos cidadãos da União Europeia.  O principal objetivo deste regulamento consiste em aumentar a segurança e proteção da privacidade dos utilizadores online. Desta forma, o RGPD passou a exigir uma série de medidas no que diz respeito ao processamento e análise/utilização de dados, de forma a tornar todo este processo o mais seguro, transparente e confidencial.

Ainda mais importante: o utilizador/cliente passa a controlar o consentimento, recolha, processamento e formas de uso dos seus dados pessoais. Por exemplo, a subscrição de uma newsletter, que antes pedia apenas para que o utilizador/cliente escrevesse o seu e-mail no campo de assinatura. Agora, a lead deve, após a subscrição, receber um e-mail de confirmação.

De lembrar: O incumprimento do RGPD poderá levar a empresa a ser punida com uma coima até 4% da sua receita anual.

Na sua essência, o RGDP consiste numa salvaguarda dos consumidores. Basicamente, é a certeza que os utilizadores são livres de entregarem os seus dados apenas a quem querem e, mesmo quando os entregam, continuam a ser os seus proprietários, podendo alterá-los ou retirá-los assim que o desejarem.

É importante relembrar que os dados dos consumidores e utilizadores de serviços são super valiosos na definição das estratégias de marketing digital. Tanto que, com um correto tratamento dos dados, é possível definir a persona e, por consequência, a previsão de suas preferências, comportamento e atitudes futuras.

Deve estar a perguntar: e as novas regras desta Regulamentação vão ser um problema para a minha empresa? Pois bem, se o Marketing Digital não tiver uma estratégia e estiver apenas preocupado em vender, sem dúvida que será um problema.

Mas, se o Marketing Digital for estratégico e planeado de forma a acompanhar o público-alvo nas suas diferentes fases, não será.

Em suma, a partir de agora, com a nova lei de proteção de dados, o RGPD, as empresas têm efetivamente de recolher os dados de forma legítima e de garantir os direitos do consumidor no que diz respeito à análise e utilização dos seus dados pessoais.

Das várias alterações implementadas, as mais relevantes são:

“Breach Notification” – Ou seja, em caso de violação de dados pessoais passa a existir a obrigatoriedade e a necessidade de comunicar com as autoridades competentes e com os consumidores afetados, num prazo de 72 horas;

“Right to Access” – Garante a qualquer pessoa o direito de acesso aos seus dados pessoais, podendo pedir uma cópia de todos os dados que sejam detidos pela organização;

“Right to be forgotten” – Trata-se do direito a ser esquecido, através do pedido da eliminação dos seus dados pessoais diretamente às organizações, devendo esse direito ser concedido com a maior brevidade possível.

“Data Portability” – Trata-se do direito que o consumidor tem de pedir que os seus dados pessoais, sejam transmitidos a outra entidade;

“Data Protection Officer” – Trata-se de garantir que as empresas tenham recursos humanos que registem e mantenham uma proteção efetiva de dados;

O consentimento por parte de quem fornece as informações pessoais deve ser realizado numa linguagem clara e direta, sem margem para segundas interpretações. Por isso, deve analisar a política de utilização e privacidade que tem disponível no site.

Concluindo: o RGPD exige que, para todos os tratamentos de dados, o consentimento seja explícito

Quais as principais consequências do RGPD para a minha empresa?

 

deu para entender  que a implementação do  RGPD implicará várias alterações nas estratégias de marketing digital das empresas. Nomeadamente:

1 – Diminuição das bases de dados

Quanto mais explícita for a permissão necessária do consumidor, e quanto mais simples for o cancelamento do acesso das empresas a estes dados, mais complicado vai ser gerar e expandir as bases de dados, principalmente quando for para utilização de terceiros (como é o caso das empresas que vendem bases de dados).

2 – Limite do alcance de determinados canais

Existem inúmeras estratégias de marketing digital (como é o caso dos cookies e do remarketing) que não eram baseadas no consentimento explícito do consumidor.

Desta forma, quanto menor for o público alvo, menor será o alcance obtido.

3 – Aumento do custo por clique

Outro dos impactos indiretos do RGPD passa essencialmente pelo preço médio por clique dos anúncios pagos (nomeadamente no Google e no Facebook).

A necessidade de inserir as novas bases de dados em plataformas de publicidade de terceiros, torna o processo mais dispendioso.

É de salientar assim que, com a implementação da nova lei de proteção de dados, as empresas devem implementar uma estratégia  de marketing digital com foco a médio e longo prazo.

Assim sendo, o investimento em SEO, marketing de conteúdo, Inbound marketing e tudo o que permita à sua empresa fortalecer o relacionamento com o cliente são, efetivamente, as estratégias em que a sua empresa se deve focar de forma imediata, pois são essas que a médio e longo prazo trarão um maior retorno para o seu negócio.

 

Comentários estão fechados.