Data-Driven Marketing: Benefícios e Como Aplicar

30

Uma cultura de data-driven assenta na mensuração por parte da empresa, de dados reais e concretos. Não basta fazer reports e/ou acompanhar a evolução dos resultados obtidos. É preciso ir além disso e analisar o comportamento e as atitudes do seu público perante a marca. Aqui é que reside a dificuldade de adotar uma cultura de data-driven para a empresa.

Analisar os resultados e depois aplicar uma estratégia com base em experiências passadas e instintos marketers não é uma boa conduta, apesar de tantas vezes ser utilizada. As decisões para uma boa estratégia de marketing devem assentar em evidências concretas e justificáveis.

Numa cultura data-driven, os dados são processados com transparência e responsabilidade – consequentemente, todas as decisões da equipa são tomadas a partir de testes de hipóteses.

Ter uma grande quantidade de dados é um ótimo começo. Contudo, elevar a organização ao nível de data-driven requer a criação de uma estratégia com base nos fatores que, efetivamente, influenciam os KPI’s (Key Performance Indicators). Esta análise permite prever tendências e comportamentos do público-alvo e, consequentemente, colocar a empresa na linha da frente.

 

Benefícios de Data-Driven 

 

 

  • Ações Personalizadas

 

Através dos dados recolhidos, é possível criar ações de marketing digital personalizadas para o público que pretende atingir. Desde a mensagem ao conteúdo. De acordo com um estudo realizado pela McKinsey sobre Data, Analytics e Marketing, numa estratégia de data-driven, o ROI é bastante elevado. Pois, permite à empresa otimizar o tempo de resposta e aumentar o engagement com o público.

Por exemplo, quando um cliente compra uns sapatos numa loja online, é possível fazer o retargeting desse mesmo indivíduo, apresentando-lhe outros sapatos que, de acordo com a sua compra anterior, pode fazer parte dos seus gostos pessoais.

 

  • Integração de Diferentes Canais

 

A recolha de dados dos potenciais e atuais clientes nos diferentes canais possibilita a implementação de estratégias de comunicação direcionadas para cada público. Apesar da nova lei do RGPD impor vais restrições e regras à recolha de dados, não podemos desanimar. Entregar conteúdo no qual o público veja interesse, pertinência e relevância garante a subscrição de newsletter ou até mesmo da receção de outro tipo de comunicação. O importante é garantir que a sua empresa entrega valor acrescentado.

Redes sociais como o Facebook, permitem às marcas recolher informações sobre os comportamentos da sua audiência e, consequentemente, usar esses dados para os alcançar noutros canais. Por exemplo, ao percebermos que a maior parte do público de uma marca tem um interesse comum em certas páginas do Facebook, podemos criar anúncios que, por sua vez, irão aparecer em sites e blogs que o target frequenta.

 

  • Segmentação

Com os dados recolhidos sobre os comportamentos e atitudes dos clientes, a segmentação é mais fácil. Pois, os dados são mais precisos e reais. Através deles podemos criar Campanhas devidamente segmentadas, garantindo uma maior rentabilização do investimento e aumentando a possibilidade de conversão. Podemos até ir mais fundo em termos de segmentação e, para cada categoria de produto, segmentar anúncios por idade, interesses, etc.

 

  • Prever, analisar, atuar

Com a implementação de uma estratégia de data-driven, é possível prever os comportamentos dos atuais e potenciais clientes através dos seus gostos e comportamentos anteriores. Posto isto, consegue idealizar uma estratégia de forma a responder às necessidade futuras do seu público-alvo, mantendo-se assim na linha da frente perante os seus concorrentes. Um exemplo: através dos dados recolhidos, consegue perceber se os clientes que compram o produto x na sua loja online, compram de seguida, o produto y. E assim, entendemos que, para o consumidor, estes produtos encontram-se de alguma forma relacionados. Uma possível estratégia por parte da marca, pode consistir em oferecer um pack com os dois produtos, ou mesmo criar um produto que ofereça as vantagens dos dois. Assim, garante que satisfaz as necessidades dos seus clientes antes de outro concorrente.

 

  • Desenvolvimento de Produto

Ao prever as necessidades do seu público-alvo, consegue também desenvolver produtos que, por sua vez, suprem essas mesmas necessidades. Outra vantagem passa por, através dos dados sobre as atitudes perante os produtos, é possível compreender o porquê daquele item funcionar, ou não, e quais são os aspetos a que o consumidor mais dá valor.

Uma análise a todas as informações partilhadas pelos consumidores, seja através das redes sociais, fóruns, entre outros, permite-nos saber quais as suas opiniões e, possivelmente, como melhorar os produtos que comercializamos.

 

Em suma, cada vez mais é essencial uma estratégia de data-driven para o sucesso de uma estratégia digital. Observar e analisar dados não é suficiente. É necessário compreender quais os fatores que influenciam os resultados de forma a trabalhá-los e consequentemente, alcançar as metas que idealizou para a sua empresa.

Comentários estão fechados.