Storytelling

51

Atualmente, os clientes não estão interessados numa relação fria ligada à compra e venda. As pessoas querem uma ligação, querem sentir alguma coisa.

Criar uma ligação afetiva e comunicar emoções faz com que tu consigas ser muito mais eficaz com o teu target. Ao ler/ver um anúncio aquilo que fica na memória do cliente é o que apela ao coração, o que o emociona.

A melhor forma de criares um laço próximo com as pessoas e de as conseguires agarrar é através das histórias que contas. Uma história real, sincera e com a qual os clientes se consigam identificar. O sentimento de identificação vai apelar à parte emocional e desenvolver uma conexão entre a marca e a pessoa.

As histórias que a tua empresa desenvolve devem espelhar o posicionamento e ADN da marca. A mensagem transmitida tem de estar de acordo com os valores que a marca tem e quer passar ao público. É assim que a tua empresa ganha características humanas.

O teu foco não pode ser vender produtos, mas sim vender experiências e emoções. O storytelling ganha uma nova dimensão com o digital graças ao que a internet permite.

Ainda existem muitas empresas que replicam o conteúdo de uma rede social para a outra sem fazer alterações. Esta estratégia acaba por ser desinteressante para o seguidor. É preferível que optes pelo transmedia storytelling.

O transmedia storytelling nada mais é do que criar uma história que está parcelada em diferentes meios quer online quer offline. Cada meio dá o seu contributo para o desenvolvimento da narrativa. Ao optares por esta forma de divulgar a tua mensagem consegues envolver os teus seguidores na história que estás a contar.

Imagina, na segunda-feira crias um vídeo que colocas no teu Facebook e deixas a mensagem “Continua amanhã no Instagram!”. Há uma remissão para vários canais da marca, o que é um plus para o dinamismo. O público vai saber onde obter mais conteúdo, caso queira. Assim, acabas por saber que quem te assiste é porque de facto gosta do que tu criaste! Nada melhor do que comunicar para as pessoas certas, não achas?

Desta forma, desenvolves uma experiência de entretenimento para a tua audiência e tiras mais proveito das tuas várias redes sociais. Além disso, aumentas exponencialmente a probabilidade de cativares o público na tua história e na tua marca. Uma empresa que trabalha muito bem este aspeto é a Vodafone.

A Vodafone conta uma história uníssona e coesa em todos os elementos de comunicação, sejam eles online ou oflline. A atriz Ana Guiomar e o seu namorado Diogo Valsassina fazem parte do storytelling da marca há 3 anos e, de ano para ano, há uma nova “trama” na sua vida. As publicidades com o casal já envolveram, inclusive, o cão Bart. Cada novidade da marca é acompanhada pelos “pombinhos”.

Esta estratégia gera uma ligação emocional muito forte não só com o casal, mas claramente com a marca. Pois, o público acaba por se identificar com as personagens e a história contada.

 

https://www.youtube.com/watch?v=GFPiFNPb-vI

 

https://www.youtube.com/watch?v=YxM5A2Nm_co

 

https://www.youtube.com/watch?v=sf37-CFAAdk

 

https://www.youtube.com/watch?v=mpaT3hKHgik

 

Outro caso é o IKEA. O IKEA fez uma publicidade recentemente que começava num meio tradicional, na televisão. Mas, para quem quisesse saber a continuação da história, poderia vê-la no site do IKEA.

 

https://www.youtube.com/watch?v=sauGV-K0-To

 

https://www.ikea.com/pt/pt/ideas/story03/

 

O storytelling no digital tem uma vantagem espetacular. Podes tirar partido dos vários formatos multimédia, seja vídeo, som, texto, imagem, etc.

Define bem qual é a tua mensagem principal e cria um enredo que prenda o cliente, mostra um problema que o teu público-alvo experiencia e apresenta-lhes a solução. Colocares inclusive testemunhos reais desenvolve uma empatia ainda maior, porque mostra que existem pessoas normais que passam pelo mesmo que o teu cliente.

O texto, a história em si, é uma parte fundamental. Mas, não podemos esquecer tudo o resto. Se a tua narrativa vai ser à base de imagem, seja esta estática ou não, precisam de ser de alta qualidade e relevância. Tens de pensar o tipo de imagem que queres passar e o que queres despertar no teu público.

Pegando no exemplo, novamente, da Vodafone, no Instagram da marca são partilhados vídeos pequenos que apelam à audiência e que são relacionados com a publicidade que passa na televisão, nos mupis, etc. Há uma sequência de ideias, uma história lógica, na qual se percebe a conexão entre todas as partes.

O storytelling é uma grande mais valia para ti, sobretudo no digital, porque te permite controlar a informação que divulgas e que é vinculada à tua marca. És o dono da razão. Todas as decisões passam por ti. É a tua história e tu podes contar como quiseres, da forma quiseres. Tens total liberdade, porque no digital não há limites.

Histórias breves, curtas, mas que toquem nos pontos que tu queres, são o caminho a seguir. Podes ir alimentando a tua trama aos poucos, fazendo quem te acompanha querer saber mais.

Criar uma história com a qual as pessoas se identifiquem é meio caminho andado não só para que se lembrem de ti e da tua empresa, mas também para que queiram comprar o que tu vendes.

O storytelling ajuda a aproximares-te do teu público-alvo através das histórias que contas e que dão vida e cor à tua marca.  Podes pegar no que criaste e desenvolver campanhas que emocionem e despertem sentimentos no teu público. Acredita que assim ninguém se vai esquecer da tua marca e daquilo que esta defende!

Se quiseres saber mais, fala connosco! Explicamos-te tudo ao pormenor.

Comentários estão fechados.